Paraíba: Delator revela que Livânia “queimou” candidatura de João Azevedo à PMJP: ela não gostava dele ~ Umbuzeiro Notícias

Partidos de oposição em Umbuzeiro realizam convenção no dia 30 de julho

Os partidos de oposição em Umbuzeiro, formados pelas Comissões Provisórias Municipais do  PSB, PTC, PRB, PTN, PT do B, PPS e do Diretório M...

CLIQUE NA IMAGEM OU AQUI PARA LER MAIS TEXTOS

Anuncie seu comércio

Anuncie seu comércio

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

16 de janeiro de 2020

Paraíba: Delator revela que Livânia “queimou” candidatura de João Azevedo à PMJP: ela não gostava dele


ex-secretário executivo de Turismo e Desenvolvimento Econômico da Paraíba, Ivan Burity, revelou que a ex-secretária de Administração do Estado, Livânia Farias, foi a principal responsável pela retirada da candidatura do hoje governador João Azevêdo à Prefeitura Municipal de João Pessoa (PSB), nas eleições de 2016.
A revelação de Ivan Burtiy faz parte da delação premiada dele, no âmbito da Operação Calvário, cujos trechos o Paraíba Já teve acesso. O ex-secretário já foi preso na Calvário e hoje está liberdade, após decidir colaborar com a Justiça.
De acordo com Ivan, Livânia Farias “não gostava” do atual governador da Paraíba. “Quando chegou à eleição de Cida (Ramos – em 2016), que foi ela quem tirou João (Azevêdo – da disputa pela PMJP); ela não gostava de João, queimou João”, contou o ex-secretário em sua delação.

Assista abaixo trecho da delação de Burity


Ainda de acordo com Burity, após a reeleição do ex-governador Ricardo Coutinho, em 2014, Livânia passou a exercer forte poder nas decisões do grupo político. “Teve uma época em que ela empoderou-se, depois do segundo governo de Ricardo (Coutinho)… Ela passou a ter um poder de fogo altíssimo, (foi) quando ela elegeu parentes dela como vereador de Sousa”, contou o delator.

Delação de Livânia

Nesta semana, novos trechos da deleção de Livânia Farias foram divulgados pela imprensa. Em um deles, a ex-secretária disse ter repassado valores a João Azevêdo entre os meses de abril e julho de 2019. O governador desqualificou as declarações da delatora e disse ter antecipado, desde o no ano passado, que seria vítima de retaliações por ter justamente exonerado de sua gestão ex-auxiliares envolvidos na Operação Calvário, como a própria Livânia Farias.

Artigos Relacionados:

0 comentários:

Postar um comentário