Paraíba: Delação vazada pelo Estadão diz que João, Ricardo, Cássio, Cartaxo e Maranhão sabiam de esquema de propina de Livânia ~ Umbuzeiro Notícias

Partidos de oposição em Umbuzeiro realizam convenção no dia 30 de julho

Os partidos de oposição em Umbuzeiro, formados pelas Comissões Provisórias Municipais do  PSB, PTC, PRB, PTN, PT do B, PPS e do Diretório M...

CLIQUE NA IMAGEM OU AQUI PARA LER MAIS TEXTOS

Anuncie seu comércio

Anuncie seu comércio

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

14 de janeiro de 2020

Paraíba: Delação vazada pelo Estadão diz que João, Ricardo, Cássio, Cartaxo e Maranhão sabiam de esquema de propina de Livânia

Em novo trecho vazado da delação premiada da ex-secretária Livânia Farias são citados os ex-governadores Cássio Cunha Lima, José Maranhão e Ricardo Coutinho, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, e o atual governador João Azevêdo. O material foi publicado pelo jornal o Estado de São Paulo nesta segunda-feira (13).
Além disso, a ex-secretária também revelou que entre os anos de 2013 e 2014, alguns deputados estaduais recebiam pagamentos mensais como forma de propina. Ela afirmou que os deputados que estariam recebendo para votar de acordo com o governo eram Antônio Mineral, Branco Mendes, Eva Gouveia, João Gonçalves, Lindolfo Pires, Márcio Roberto e Tião Gomes.
De acordo com o material divulgado, Livânia foi convocada para uma reunião com João Azevêdo, que estava acompanhado por Waldson. Nesta ocasião ficou definido que ela não seria mais a responsável pela campanha, já que todos sabiam que ela era a responsável por propinas. Ela declarou ainda que Ricardo Coutinho, Cássio Cunha Lima, Luciano Cartaxo e José Maranhão tinham conhecimento do que ela fazia em todas as campanhas eleitorais.
O afastamento de Livânia do comando da campanha também serviria como forma de proteger João Azevêdo.
Em resposta à reportagem, o governador João Azevêdo declarou que as despesas da pré-campanha e da campanha aconteceram de forma lícita e transparente, de modo que se terceiros se valeram desse pretexto para a prática de ilícitos, eles é que terão de responder. Ele afirma ainda, através de sua assessoria, que em face das medidas de combate à corrupção e do afastamento de secretários envolvidos na Operação Calvário, já se esperava que o governador poderia ser vítima de retaliação dos que foram afastados.
Estadão

Artigos Relacionados:

0 comentários:

Postar um comentário